Embu das Artes perde Raquel Trindade, ícone da cultura nacional

Por Márcio Amêndola – Fato Expresso

Raquel Trindade de Souza, a Kambinda e artista multicultural, faleceu aos 81 anos, na madrugada de domingo (15). Foi uma triste notícia para Embu das Artes e toda a comunidade artística, em especial os movimentos afro-brasileiros.

Raquel Trindade, artista multicultural levou o nome de Embu das Artes para o Brasil e o mundo (Divulgação)

Raquel Trindade fundou com seu pai, Solano Trindade, o TPB – Teatro Popular Brasileiro, no Rio de Janeiro. A família estabeleceu-se e adotou Embu no início dos anos 1960, permanecendo por mais de 50 anos. Após a morte de seu pai, Raquel criou o Teatro Popular Solano Trindade, comandou a luta e ativismo cultural de Embu por décadas, levando o nome da cidade para o mundo inteiro.
Por seu trabalho, foi professora convidada na Unicamp e Universidades do Rio de Janeiro. Recebeu, em seu nome e de seu pai Comenda de Mérito Cultural da República, entregue pelo Presidente Lula.

Raquel Trindade recebeu a Comenda de Mérito Cultural da República, entregue pelo Presidente Lula. (Divulgação) 

Em 2004 publicou o livro “Conto, canto e encanto com a minha história… EMBU” (Editora Noovha América), obra reeditada em 2010, na qual relata toda a história das Artes de Embu e de seus personagens

Ela também publicou diversos livros sobre seu pai, Solano Trindade, com poemas de uma das mais potentes vozes negras do País.
Raquel Trindade também era, como seu pai, folclorista e artista plástica, uma personalidade forte e multicultural.
“É uma perda irreparável. Raquel Trindade tinha 81 e foi uma das melhores pessoas que conheci…” afirma o jornalista Márcio Amêndola.

Compartilhe esta notícia!